A Verdade sobre a Páscoa

  
 Páscoa  é considerada um evento religioso cristão, normalmente considerado pelas igrejas ligadas a esta corrente religiosa como a maior e a mais importante festa da Cristandade. Na Páscoa os cristãos celebram a Ressurreição de Jesus Cristo depois da sua morte por crucificação (ver Sexta-Feira Santa) que teria ocorrido nesta época do ano em 30 ou 33 da Era Comum. O termo pode referir-se também ao período do ano canônico que dura cerca de dois meses, desde o domingo de Páscoa até ao Pentecostes.
   A palavra Páscoa advém, exatamente do nome em hebraico da festa judaica à qual a Páscoa cristã está intimamente ligada, não só pelo sentido simbólico de “passagem”, comum às celebrações pagãs (passagem do inverno para a primavera) e judaicas (da escravatura no Egito para a liberdade na Terra prometida
Pascoa Judaíca
   Segundo a Bíblia (Livro do Êxodo), Deus lançou 10 pragas sobre o Egito. Na última delas (Êxodo cap 12), disse Deus que todos os primogênitos egípcios seriam exterminados (com a passagem do anjo da morte por sobre suas casas), mas os de Israel seriam poupados. Para isso, o povo de Israel deveria imolar um cordeiro, passar o sangue do cordeiro imolado sobre as portas de suas casas, e Deus passaria por elas sem ferir seus primogênitos. Todos os demais primogênitos do Egito foram mortos, do filho do Faraó aos filhos dos prisioneiros. Isso causou intenso clamor dentre o povo egípcio, que culminou com a decisão do Faraó de libertar o povo de Israel, dando início ao Êxodo de Israel para a Terra Prometida.
    A Bíblia judaica institui a celebração da Páscoa em Êxodo 12, 14: Conservareis a memória daquele dia, celebrando-o como uma festa em honra de Adonai: Fareis isto de geração em geração, pois é uma instituição perpétua .


Páscoa Cristã    
   Porém a Páscoa foi substituída pela Santa ceia, através de Jesus Cristo. Como sabemos, Cristo ao morrer por nós, quebrou o concerto de Deus com os israelitas, nos dando a chance de também sermos filhos de Deus, atraves do concerto com ele, pelo Batismo. 
Durante a Última Ceia, e em referência específica ao tomar o pão e o vinho, Jesus teria dito aos seus discípulos, "Façam isso em memória de mim", (1 Coríntios 11:23–26). No    

   O Apóstolo Paulo foi o primeiro a mencionar sobre a Santa Ceia. Ele escreveu: Por que recebi do Senhor o que eu também vos ensinei: O Senhor Jesus, na noite que foi traído, tomou o pão e, quando ele tinha dado graças, ele o partiu e disse: "Este é o meu corpo, que é dado por vós; fazei isto em memória de mim ". Da mesma forma, depois de cear, tomou o cálice, dizendo: "Esta é o cálice da Nova Aliança no meu sangue; fazei isto, sempre que bebê-lo, em memória de mim". Sempre que você comer este pão e beber este cálice, você vai estar anunciando a morte do Senhor até que ele venha. (1 Corintios 11:23-26).
Páscoa Capitalista

A páscoa comemorada hoje,serve apenas para empresas lucrarem com a venda de ovos de chocolate, etc... até mesmo os presentes, e a cerimônia festiva da Páscoa são feitas em alusão a cerimonias pagãs, cultuadas a deuses estranhos. 

Alusão a Páscoa Pagã

   Na Páscoa, é comum a prática de pintar-se ovos cozidos, decorando-os com desenhos e formas abstratas. Em grande parte dos países ainda é um costume comum, embora que em outros, os ovos tenham sido substítuidos por ovos de chocolate. No entanto, o costume não é citado na Bíblia. Portanto, este costume é uma alusão a antigos rituais pagãos. Ishtar ou Astarte é a deusa da fertilidade e do renascimento na mitologia anglo-saxã, na mitologia nórdica e mitologia germânica. A primavera, lebres e ovos pintados com runas eram os símbolos da fertilidade e renovação a ela associados. A lebre (e não o coelho) era seu símbolo.


    Suas sacerdotisas eram ditas capazes de prever o futuro observando as entranhas de uma lebre sacrificada (claro que a versão “coelhinho da páscoa, que trazes pra mim?” é bem mais comercialmente interessante do que “Lebre de Eostre, o que suas entranhas trazem de sorte para mim?”, que é a versão original desta rima. A lebre de Eostre pode ser vista na Lua cheia e, portanto, era naturalmente associada à Lua e às deusas lunares da fertilidade. De seus cultos pagãos originou-se a Páscoa (Easter, em inglês e Ostern em alemão), que foi absorvida e misturada pelas comemorações judaico-cristãs. Os antigos povos nórdicos comemoravam o festival de Eostre no dia 30 de Março. Eostre ou Ostera (no alemão mais antigo) significa “a Deusa da Aurora” (ou novamente, o planeta Vênus). É uma Deusa anglo-saxã, teutônica, da Primavera, da Ressurreição e do Renascimento. Ela deu nome ao Shabbat Pagão, que celebra o renascimento chamado de Ostara.


A.S.J.M



3 comentários:

  1. Muito bom! Pena que a maioria dos verdadeiros cristãos nem sequer sabem essas coisas. Se juntam com aqueles que se dizem cristãos e comemoram de forma equivocada. Parabéns pela pesquisa e pelo trabalho.

    ResponderExcluir
  2. Ótima explicação mais infelizmente as pessoas estão presas na palavra "nada haver " tudo não tem nada haver. Satanás não brinca de ser satanás mais os cristão brincam de ser cristão preferem ir pelo que o mundo prega infelizmente. Mais a palavra de Deus e clara ( aquele q e amigo do mundo e inimigo de Deus )

    ResponderExcluir
  3. Muito bom o texto! Más, verde fluorescente com fundo cinza é sacanagem né.

    Pra eu poder ler tive copiar para o word isso porque estava mesmo interessado no assunto.

    Arruma isso!

    ResponderExcluir